Descubra 4 cuidados essenciais com o cão idoso

0
66

O tempo também passa para os nossos peludos e, como consequência do processo natural de envelhecimento, o funcionamento de órgãos e sistemas torna-se mais sensível e debilitado. Os avanços da medicina veterinária aumentam a expectativa dos nossos companheiros e para aproveitar esses recursos ainda mais, é preciso ter alguns cuidados com o cão idoso.

Parece que a fase nunca chegará, mas a energia inesgotável dos jovens dá lugar a um andar cansado e a um olhar de ternura sem fim. A atenção que damos a eles nesse período é essencial para a sua longevidade e, principalmente, sua qualidade de vida.

Então, vamos conversar um pouco mais sobre os cuidados que um cão idoso precisa? Acompanhe a leitura!

Quando um cão é considerado idoso?

Se você já ouviu falar que a cada 1 ano de vida do cachorro equivale a 7 anos do ser humano, esqueça: é mito. Há quem diga que essa proporção, criada há séculos, foi uma maneira de estimular que os tutores levassem seus cães ao veterinário ao menos uma vez por ano.

Contudo, é verdade que o tempo passa mais depressa para eles. Pesquisadores descobriram que os peludos envelhecem 15 a 20 vezes mais no seu primeiro ano de vida do que nós. Depois, essa velocidade diminui: cachorro de 1 ano equivale a uma pessoa de 15; cão de 2 a uma pessoa de 24; depois, cada ano vivido pelo cão é igual a 4 a 5 anos humanos.

De qualquer modo, raça, peso e tamanho são fatores fundamentais para quantificar a idade de um cão. Então, cachorros pequenos, com até 10 kg são idosos aos 7 ou 8 anos. Os de porte grande, que pesam entre 26 kg e 45 kg, alcançam a maturidade aos 5 anos.

Quais os cuidados com o cão idoso?

Os efeitos do tempo alteram o metabolismo e o sistema imunológico dos cachorros. Por isso, eles apresentam mudanças no comportamento e tendência a desenvolver doenças. Veja a seguir alguns cuidados com o seu companheiro.

1. Ofereça ração adequada

Dê preferência para rações seniores, pois elas contêm ômega-3, zinco, proteínas, fibras e são pobres em gordura. Elas são desenvolvidas para atender as necessidades dos idosos, reforçando articulações e melhorando a digestão.

2. Tenha calma na hora do passeio

Continue levando seu velhinho para o passeio diário, mas vá com calma. Muitos apresentam problemas cardiorrespiratórios e articulares, precisando caminhar devagar, sem percorrer longas distâncias. Além disso, procure passear nas horas mais frescas do dia.

3. Leve-o ao veterinário com mais frequência

As consultas ao veterinário devem ser mais frequentes nessa fase. Enquanto os mais jovens passam por visitas anuais, os cães idosos precisam ter a saúde avaliada a cada 6 meses. O veterinário solicitará exames rotineiros para verificar o coração, os rins, a boca e os olhos e também os níveis dos hormônios.

4. Dê atenção e carinho constantemente

Os cachorros que têm idade muito avançada podem apresentar disfunção cognitiva, o que os faz mudar seu comportamento. É possível que eles sofram uma degeneração semelhante ao Alzheimer, tornando-se lentos e distantes. Todo o aprendizado e o treinamento que tiveram ao longo da vida podem regredir significativamente.

Por isso, tenha bastante paciência com o seu velhinho e dê a ele toda a atenção que você puder. O tempo pode levar alguns truques e comandos, mas não apaga o carinho e o amor que ele tem por você.

Viu só? Tendo alguns cuidados com o cão idoso você consegue estender o tempo do seu parceiro na família e, principalmente, melhorar a qualidade de vida do seu peludo. Afinal, é tudo o que nós queremos, não é mesmo?

Em alguns casos, cães jovens e idosos precisam de tratamentos especiais. Aproveite e saiba, agora, tudo sobre fisioterapia para cachorro: para que serve e como funciona!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here